5 de abril de 2009

Planeta Terra: um olhar “estrangeiro”!

31067_83

Fui atrás do texto Quando a escola é de vidro…, da Ruth Rocha – indicação da Andrea…

… topei com Este admirável mundo louco, seus três contos e a inequívoca conexão – inicialmente, estabelecida pelo título - com Admirável mundo novo, de Aldous Huxley!

Na primeira história, a que dá título à obra, encontrei as anotações do professor Sintomático de Aquino, um ufólogo convicto, dedicado a provar a existência de vida inteligente fora do planeta Terra!

Entre elas, o relatório de um extraterrestre, em que, ao mesmo tempo, descreve a vida na Terra e tenta entender a lógica das relações humanas! Esse relatório revela perplexidade:
Moram, quase todos, amontoados nuns lugares muito feios, que eles chamam de cidades.
Esses lugares cheiram muito mal por causa de umas porcarias que eles fabricam e de umas nuvens escuras que saem de uns tubos muito grandes que por sua vez saem de dentro de umas caixas que eles chamam de fábricas.
Parece que eles vivem dentro de outras caixas.
Algumas dessas caixas são grandes, outras são pequenas.
Nem sempre moram mais freguetes nas caixas maiores.
Às vezes acontece o contrário: nas caixas grandes moram pouquinhos freguetes e nas caixas pequenininhas mora um monte deles.
Gosto desse jogo – reflexão – de nos enxergarmos como se estivéssemos fora do contexto, como se fôssemos estrangeir@s! Esse olhar, representado pelo ET, nos faz perceber os limites e, quem sabe, vislumbrar algumas saídas para os problemas.

Quando descreve os humanos, faz analogias hilárias:
Mais embaixo ainda tem um buraco grande, cheio de grãos brancos e tem uma coisa vermelha que mexe muito.
Os freguetes estão sempre botando dentro deste buraco uma coisa que eles chamam de comida.
Outra vez: jogo. A literatura passa pela ludicidade!!! @ autor(a) lança algumas regras e @s leitores(as) se entregam a elas… puro deleite!!!

Ao expor nossas relações e reações, mostra as contradições e os absurdos:
Eles vivem brigando  muito, os grandes brigam com os pequenos o tempo todo e então os bem pequenos começam a gritar e é aí que sai água das bolas que eles têm na cara.
E, ao finalizar o relatório, o extraterrestre, antevendo um final desastroso,  recomenda a visita mais atenta de especialistas em planetas de alto risco:
Pois este planeta, que é chamado por seus freguetes de Terra, é incrivelmente semelhante ao planeta Flórides do sistema Flíbito, que se desintegrou, na era Flatônica, não se sabe por que, mas, que nessa ocasião desprendeu grandes nuvens de fumaça em forma de cogumelos…
Quando Ruth Rocha usa a imagem de um ET, alguém de fora do nosso contexto, para tentar entender – em vão - o mundo em que vivemos, nos abre inúmeras possibilidades de sentidos!!! A gente ri, se revolta, se identifica…

Assim como no mundo criado por Huxley, o retrato de Ruth revela incoerência, manipulação, caos.

Sem dúvida, uma bela história para compor as rodas de leitura! Para qualquer idade - literatura da boa não tem isso: infantil, infanto-juvenil, para adult@s, “né”?! Uma boa história é uma boa história!

No próximo post, outra história!

5 comentários:

Ademar Oliveira de Lima disse...

Estive por aqui conhecendo os seus escritos!!
Parabens professora!
Abraço Ademar!!!

Miriam disse...

Obrigada pela visita. Estive observando os blogs que você visita e pude notar que no meu "Tribo da leitura", aparece como se eu tivesse feito a última postagem 8 meses atrás, sendo que faço postagens pelo menos semanalmente. O que pode estar acontecendo? A minha última postagem foi dia 3 de abril.
Um abraço e aguardo seu novo trabalho com os alunos, também estou planejando um trabalho com Webquests com os meus.

Tais Luso de Carvalho disse...

Oi, Suely, obrigadíssima pelo comentário; partindo de uma professora... então estou certa!

Mas estou por aqui passeando e lendo tuas matérias; blogaste, e muito bem!!!

beijos e uma boa semana.
tais luso

Comunidade HB disse...

Su, esta dinamicidade da busca nos leva a lugares belíssimos e nos proporciona não só acharmos o que buscavamos, vamos além estabelecemos novas relações.
Boa a dica de leitura.

Vanessa disse...

Este é um comentário convite.
Como vc participou da coletiva O livro da minha vida, estou convidando para mais um evento sobre literatura em 18 de abril no Fio de Ariadne.
Visite o Fio amanhã, 08 de abril e, caso se identifique com a ideia, coloque seu nome na lista e concorra a um livro da Jorge Zahar Editor.

Abraço