5 de agosto de 2010

“Abrindo caminho”

Abrindo caminho
   
 
Em menos de três semanas, as últimas de julho, o MEC, por intermédio do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação – FNDE, enviou para as escolas de educação infantil e de anos iniciais do ensino fundamental mais duas caixas com obras de literatura infantil… preciosidades… é o Programa Nacional Biblioteca da Escola – PNBE/2010.

@s alun@s do Curso Normal em nível médio, para quem mostrei as obras, vibraram… os olhos brilharam… muitas possibilidades de leitura com @s pequen@s nos estágios e nos pré-estágios…

Entre os livros – Abrindo Caminho, de Ana Maria Machado, escolhido por uma das meninas para a contação, usando fichas com as ilustrações (lindas! de Elizabeth Teixeira).

Quando ouvi a história me encantei… Algumas alunas da turma acharam-na esquisita, faltavam-lhes algumas conexões. Quem é Dante? e Tom? uma e outra reconheciam o intertexto com Águas de março… Mas tod@s concordávamos: era uma história linda!

Pensei, então, em montar uma atividade que pudesse nos encaminhar para o pleno entendimento do texto, além das pistas que o próprio texto e as ilustrações nos dão.

Uma atividade que nos fizesse refletir sobre a importância da construção de uma história de leitura, a fim de desvendar as tramas que @s autores tecem com outros textos.

Ou quanto mais lemos mais referências teremos e melhores serão nossas leituras…

Esse é um dos papéis d@s professores(as) dos anos iniciais…

Aliás, de tod@s @s professores(as)!

Então, propus, num trabalho para a Oficina Projeto Pedagógico Usando Texto, Imagem e Som, do Curso de Especialização Tecnologias em Educação - CCEAD - PUC-Rio, a construção de um hipertexto, tendo como texto-base essa obra que nos instigou.
(...) é mais que uma história...
Mostra personagens do passado, desbravadores que enfrentaram a selva, o deserto, o oceano, o céu...
Gente de verdade que conseguiu transformar obstáculo em caminho, inimigo em amigo, fim em começo. E quantos caminhos foram abertos!
Quem são esses personagens? Você é capaz de descobrir?
E quantos caminhos existem ainda por abrir! (texto da quarta capa do livro)

Descobrir quem são essas figuras e apresentá-las aos leitores e às leitoras é o desafio que será tecido nos nós do hipertexto.

Além de ser uma bela metáfora da própria idéia de hipertexto: abrir caminhos para @s leitores (as), permitindo o diálogo entre disciplinas e mídias.

O texto do trabalho pode ser acessado aqui!

A seguir, o início da obra:
No meio do caminho de Dante tinha uma selva escura.
No meio do caminho de Carlos tinha uma pedra.
No meio do caminho de Tom tinha um rio.
Era pau.
Era pedra.
Era o fim do caminho?
Cada um no seu canto
com seu canto
nos chamou.
E nenhum de nós,
nunca mais, ficou sozinho.
No meio do caminho de Dante teve uma estrada.
No meio do caminho de Carlos teve um túnel.
No meio do caminho de Tom teve uma ponte.
No meio do caminho de Cris tinha um oceano.
No meio do caminho de Marco tinha inimigo e deserto.
E tinha muita lonjura pelo caminho de Alberto.
(...)

Levar Tom Jobim para ouvir e se deliciar com as crianças, descobrir os feitos e os efeitos desses homens corajosos que abriram caminhos... viajar com Marco Polo, Cristóvão Colombo, conhecer a Divina Comédia de Dante, os sonhos e os voos de Santos Dumont... ler Drummond... se encantar...

Quantos conteúdos! Quantas aprendizagens! Quanta beleza!


Um comentário:

Patrícia disse...

Suuuely!

Vim te apresentar meu novo cantinho, onde estarei a partir de agora! E virei te visitar mais vezes!

http://caleidoscopicamente-faiscante.blogspot.com

Abraços!